ESTUDAR FILOSOFIA

Por que estudar Filosofia?

Por:João de Fernandes Teixeira

O que é filosofia? Do que ela trata? Por que estudá-la?

Essas são questões inevitáveis com as quais se deparam os estudantes de filosofia em alguma etapa de sua formação. São perguntas instigantes e a falta de uma resposta para elas, como para qualquer problema filosófico, frequentemente frustra quem se dedica ao estudo dessa disciplina que, em alguns momentos, pode se tornar árida e desafiadora.

Pessoas que nunca tiveram contato com a filosofia também costumam fazer essas perguntas a estudantes e professores de filosofia. Algumas são motivadas por uma curiosidade autêntica, outras, que não são inteiramente leigas, as fazem em um tom debochado e até humilhante, apostando na grande dificuldade envolvida em respondê-las. Para muitas pessoas, a filosofia tem a aparência de um castelo de cartas que precisa se equilibrar no ar, sem nenhum apoio e que pode desmoronar ao mais leve toque. É difícil conceber um saber que tem de produzir a si mesmo, pois não parte nem de dados experimentais, como ocorre nas ciências, e nem de postulados como na matemática ou na geometria.

Como demarcar um território próprio da filosofia se ela não pode ser definida? Definir a filosofia é uma tarefa filosófica e, por isso, qualquer tentativa nessa direção corre o risco de girar em círculos.

Do que trata a filosofia? Podemos definir para ela uma agenda de temas permanente, como ocorre com as ciências? Seus temas variam de acordo com os momentos da história da humanidade e com as preocupações dos filósofos. A filosofia já tratou da natureza da matéria, da existência de Deus, de problemas políticos, de angústias existenciais e até das implicações éticas da mudança climática.

A filosofia não se deixa unificar nem condensar nas questões já banalizadas como, “O que somos? ”, “De onde viemos? ” ou “Para onde vamos?” que são, frequentemente, respondidas pelo senso comum invocando versões populares da mecânica quântica, histórias simplistas sobre reencarnação e até peregrinações por roteiros sagrados. Identificar a filosofia com essas respostas mistificadoras é deturpá-la e trivializá-la para que ela se encaixe na geleia geral da cultura de shopping center e das seções de “espiritualidade” das livrarias de aeroporto.

Penso que uma das características principais da filosofia é ser o oposto da mentalidade algorítmica, das tarefas programáveis que podem ser executadas por um

computador. Para fazer filosofia é preciso reverter o uso da razão, que quase sempre está dirigida para fins utilitários, e dar a ela liberdade para pensar sem nenhum objetivo preestabelecido.

Finalmente, penso que é impossível provar que a filosofia é indispensável. Mas, da mesma forma, é também impossível justificar por que as fábricas de cerveja são indispensáveis. Que aconteceria se todas elas amanhecessem fechadas? Certamente, no telejornal matutino, haveria repórteres afirmando que as cervejarias movimentam bilhões por ano e geram milhões de empregos diretos e indiretos. Mas nada disso demonstra que necessitamos de cerveja para sobreviver.

Trecho Do livro Por que estudar filosofia? de João de Fernandes Teixeira, publicado pela Editora Paulus. O livro pode ser adquirido na versão impressa ou digital no site da editora: www.paulus.com.br

ou por este link:

https://www.paulus.com.br/loja/por-que-estudar-filosofia_p_4426.html

Facebook Comments

Deixe uma resposta