Pular para a barra de ferramentas

Dica do Dia..

Você ainda não tocou no assunto com ele(a)? Não conseguiu falar sobre? Esqueceu? Postergou? Evita tocar nisso? Discute por diversas razões, mas pouco ou nada aborda o tema chave da questão?
Se há alguma identificação com a maior parte dessas indagações, provavelmente esteja bem difícil para você encarar a realidade dos fatos. Talvez ainda não perceba, mas tem feito uma campanha silenciosa para manter suas ilusões intactas e em exercício. Justamente por esse motivo, se posiciona estrategicamente em lugares e favorecendo situações que propositalmente reforcem as histórias que criou, sem que sofram qualquer ameaça. Já percebeu que vem evitando pessoas que possam elucidá-la(o) ou até influenciá-la(o) a enxergar algo mais ou diferente do “conhecido”?
Bom, te digo que você não é a única pessoa que faz isso. Na verdade, todos nós podemos proteger algumas construções de nossas histórias, nos formatos que suportamos absorver, entender e lidar. Nessa, elaboramos hipóteses, justificativas, razões, explicações e fechamos diagnósticos conforme os recursos e maturidade que dispomos.
Não me canso de dizer que só enxergamos o que conhecemos e tudo o que vemos vai de acordo com o que somos. Há quem passe meses, anos, uma vida, sustendo versões unilaterais de desfechos que vão muito além disso… Mas, agem como podem, diante da rigidez e inabilidade de maximizar perspectivas, olhar de perto o que realmente acontece, se apropriar de suas responsabilidades, ponderar releituras, outros pontos de vista para ampliar, transformar e transcender conclusões engessadas.
Um pouco de realidade pode doer e até incomodar no início, mas promoverá um baita alívio depois. Sem contar que sair da alienação, te fará parte real de onde está, promovendo mudanças, desenvolvimento, libertações e principalmente, viabilizando interações legítimas com trocas valiosas e transparentes.
~ Pamela Magalhães

A imagem pode conter: texto

Foto:Reprodução/Facebook

Facebook Comments

Deixe uma resposta