Pular para a barra de ferramentas

Dica do dia…

É preciso saber diferenciar de uma vez por todas o que é gostar, curtir, “estar afim”, ter vontade, de QUERER compromisso, de realmente estar envolvido o bastante para assumir algo consistente com você.
Ele pode ter um super carinho, adorar sua companhia, se divertir horrores e ter um tesão daqueles quando te vê, mas isso não quer dizer necessariamente que seja o suficiente para “virar aquela chavinha”, dar um “curto circuito” interno incontrolável, “soar os sininhos” do coração com aquela certeza de que precisa tê-la como prioridade, bem pertinho, o máximo de tempo possível! Se pudesse até grudaria em você para compartilhar uma vida junto.
Por enquanto essa não é a realidade. Vamos encarar e simplificar para você economizar seu tempo… Não se culpe, não busque razões para justificar isso, porque não há. Não há nada de errado com você! O que acontece é invisível, subjetivo, inexplicável e espontâneo. Agora, só aqui entre nós… Não custa nada dar aquela valorizada no “lance”, aquela calibrada nas atitudes, uma reciclada esperta na sua postura, ou aceita os fatos, entra no jogo e se diverte sem compromisso, sem satisfações e qualquer outra exclusividade, ou para de uma vez por todas com essa mania de forçar a barra, se humilhar, insistir em bancar a namorada de quem não namora com você e só se envaidece, enche o ego, se sentindo a última bolacha do pacote com esse mulherão da p. que é você à disposição dele…
Fonte:Pamela Magalhães Psicóloga

Foto:Reprodução/Facebook

Facebook Comments

Deixe uma resposta