Pular para a barra de ferramentas

Pense Nisso…

A palavra “desistir” costuma soar negativamente com um certo ar de covardia e fracasso. Quando penso em desistência, me vêm à mente a ideia de incompletude. Mas, há algumas desistências que fogem à regra e merecem uma atenção especial quando olhadas mais de perto. Tornam-se movimentos mais do que necessários, diria até, obrigatórios e urgênciais. Claro que não é fácil “jogar a toalha”, “dar meia volta”, “puxar o freio de mão”, “tirar o time de campo” ou quem sabe, ” abandonar o barco” e “descer do trem”. Mas há momentos nessa vida que independente do engajamento, crença, planos, investimentos, tempo e seja lá o que for, desistir do que não vale mais a pena é sábio e libertador. Sim! É sinal de bom senso, maturidade, sanidade, amor próprio e muita coragem.
A gente questiona, titubeia, sente um medo danado! A sensação é de estarmos jogando todo investimento que fizemos no lixo! Mas ó! Isso é só um sentimento traiçoeiro fomentador de falsas esperanças que nos mantém aprisionados na condição limitante de sempre.Tudo o que se vive, cada experiência e energia ali injetada, permanece na nossa história para todo sempre. Esse será nosso eterno legado na nossa bagagem de aprendizados e evolução.
Fonte: Pamela Magalhães Psicóloga

A imagem pode conter: texto

Foto:Reprodução/Facebook

Facebook Comments

Deixe uma resposta