Pular para a barra de ferramentas

EMPREENDEDORISMO FEMININO: A VEZ DAS MULHERES NOS NEGÓCIOS E NA SOCIEDADE

Atribui-se historicamente às mulheres uma série de características ligadas ao cuidar, o que nos confinou por séculos ao trabalho no lar. Nos últimos anos, e fruto de longas lutas, as mulheres estão cada vez mais conquistando uma posição de destaque no mundo corporativo e, com extrema rapidez, também no mundo do empreendedorismo.

Convém lembrar que segundo dados da ONU as mulheres, quando geradoras de renda, investem prioritariamente em educação e saúde para a própria família. Este tipo de investimento repercute diretamente na evolução econômica e social do país.

Em reconhecimento e incentivo à contribuição das mulheres na economia diversas ações institucionais têm surgido. Podemos destacar a criação da ONU Mulheres no ano de 2010, com o objetivo de acelerar o progresso nas conquistas das mulheres em todo o mundo. Neste sentido foi lançado, no âmbito da ONU Mulheres, a iniciativa dos “7 Princípios de Empoderamento das Mulheres”, onde empresas se comprometem a reconhecer a força das lideranças femininas e a promover ações práticas de apoio a estas empreendedoras.

No Brasil várias iniciativas têm sido executadas com sucesso. Podemos citar, como exemplo, o Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça da Secretaria de Política para Mulheres (SPM), que objetiva estabelecer ações proativas de empoderamento das mulheres e de diminuição da distância entre homens e mulheres no mundo corporativo. Da mesma forma, tem se buscado o aumento no número de mulheres em cargos políticos, ampliando nossa voz junto às instâncias de poder e decisão. Hoje, temos em torno de 10% de mulheres em cargos políticos, enquanto somos 52% da população brasileira.

Diversas barreiras, no entanto, ainda persistem e uma delas é sem dúvida a ausência de creches públicas em número suficiente. Hoje apenas 15% da demanda é atendida. Da mesma forma persiste a sobrecarga de trabalho doméstico das mulheres. Estes fatores muitas vezes dificultam ou mesmo inviabilizam a execução de ações empreendedoras femininas, pelo excesso de atividades que somos levadas a desempenhar.

É extremamente importante termos consciência do momento histórico que estamos vivendo, empreendedoras e futuras empreendedoras, de forma a reconhecer que absolutamente não estamos sozinhas quando buscamos vencer as barreiras na liderança feminina. As empreendedoras estão mudando não somente a própria vida, mas fazendo história.

POR:Elena Martinis

Facebook Comments

Deixe uma resposta